Browse By

Entenda o que está faltando para sua startup decolar

Fala galera, tudo certo?

Para quem ainda não me conhece, meu nome é Raphael Arão mais conhecido como PH, sou head da Startadora.

Resolvi das as caras, para falar um pouco sobre como funciona o mercado atual de startup, e também falar sobre algo, importantíssimo, que está faltando para o desenvolvimento das startups brasileiras.

Vamos ao que importa…

Unicórnios brasileiros

No fim do ano de 2019 o Brasil alcançou um marco importante: Tivemos o 10º “unicórnio nacional” ou a 10ª startup brasileira a atingir um valor de mercado de 1 Bilhão de Dólares.

Em 2018 as startups 99, PagSeguro, Nubank, Stone e iFood atingiram o status de unicórnio. Em 2019 foi a vez da Arco Educação, Loggi, Gympass, 5º Andar e Ebanx e no finalzinho do ano, a 11ª empresa, a Wild Life.

Já no primeiro mês de 2020 tivemos mais uma empresa integrando esse seleto grupo: A Loft. Empresa brasileira que fez história ao se tornar unicórnio em apenas 16 meses. Esse é um tempo recorde se levarmos em consideração que as média para as outras empresas foi de 8,8 anos para chegarem ao mesmo patamar. 

Isso fez com que o Brasil fosse em 2019 o terceiro país que mais criou novos unicórnios no ano, perdendo apenas para China (22 novo unicórnios no ano) e Estados Unidos (78 novos unicórnios no ano).

Realidade das startups brasileira

Como sabemos o Brasil é um país com infinitos problemas e oportunidades para que sejam criados novos negócios, afinal de contas, nosso território tem dimensões continentais e uma população de mais de 210 milhões de pessoas. Acima de tudo nossa população é que mais passam tempo na internet e consumindo serviços digitais do mundo.

Se está lendo isso, está no Brasil e é empreendedor, tenho uma boa noticia! você está em um dos melhores mercados do mundo para criar uma startup! Muitas pessoas já perceberam isso, segundo a ABStartups (Associação Brasileira de Startups) já passamos a marca de 12 mil startups no Brasil. Mas como dito acima, ainda temos apenas 12 unicórnios, ou seja, uma em cada mil empresas irá ultrapassar a tão sonhada marca do bilhão. 

OK, mas quem não se torna um unicórnio, se torna o que? Provavelmente nada… A grande maioria das outras 999 que não se tornarão unicórnios, provavelmente vão quebrar. E as que não quebrarem irão “andar de lado”, ou seja, sua curva de crescimento será praticamente linear, sem nunca ter aquela curva de crescimento exponencial que conhecemos e amamos.

picasion.com

Qual o principal motivo para essa alta taxa de mortalidade das startups brasileira? E principalmente: Qual a principal diferença entre nós e os países, que estão na nossa frente, na criação a de startups? A resposta para as duas perguntas é a mesma e pode ser resumida em apenas uma palavra: “ECOSSISTEMA”.

Um ecossistema de startups, pode ser descrito como todos os players, que de alguma forma, podem criar valor para uma startup durante sua concepção, operação ou crescimento. Podemos classificar como membros deste ecossistema, instituições de ensino, instituições de fomento, investidores, coworkings, comunidades, eventos, cursos, sites de conteúdo e talvez o mais expressivo de todos do ponto de vistas das startups: As aceleradoras.

Podemos depois fazer outros posts explicando os demais players do ecossistema, caso vocês queiram (comentem se quiserem!), mas neste momento vamos dar mais ênfase a um player que é visto como central neste ecossistema: As aceleradoras.

Aceleradoras tradicionais

No início, as aceleradoras surgiram com a propostas de dar mais velocidade para empresas que já estavam andando bem, ou seja, elas já tinham clientes, um bom faturamento, um software lançado e muitas vezes já buscando investimento. Ao selecionar as melhores empresas dentro dessas características, a aceleradora alocava recursos como conhecimento, acompanhamento, espaço físico, networking e muitas vezes investimento financeiro. Em troca de todos esses recursos, a startup dava parte da sua empresa (equity) para a aceleradora.

Quando a startup investida fica grande, a aceleradora vendia sua participação que foi oferecida tempos atrás e assim recuperava o dinheiro do investimento. Um sonho lindo. Pena que não se concretizou, e com isso muitas aceleradoras pararam de acelerar startups. Mas não pense que isso é um sinal que startups são um mau investimento ou que startup é bolha.

O modelo de negócios de uma aceleradora tradicional é extremamente difícil de fechar a conta por diversos motivos:

  • O custo fixo é alto;
  • Existe uma limitação geográfica pois a aceleração acontece dentro de um espaço físico;
  • O custo de equipe é alto pois os profissionais precisam ser de alto nível, mesmo com uma equipe de alto nível a capacidade operacional ainda é baixa pois cada profissional tem um número limitado de empresas que consegue acompanhar com qualidade tornando a escalabilidade praticamente inexistente;
  • O tempo de retorno do investimento (tempo entre a aceleradora fazer o investimento da startup e a startup ser vendida por um valor satisfatório para a aceleradora) é extremamente alto girando, em algo em torno de 5 a 10 anos e o risco é alto pois muitas das empresas investidas certamente vão quebrar no caminho, e mesmo as que não quebrarem, não poderão ser vendidas por um valor satisfatório. 

Do ponto de vista das startups, o cenário também não é muito animador.

  • É difícil trazer os bons times para uma aceleradora porque geralmente eles já conseguem sozinhos o que a aceleradora tem para oferecer;
  • Dar uma participação da empresa para a aceleradora é um custo muito alto para a startup;
  • Nem sempre a startup quer se instalar no HUB da aceleradora (coisa que em alguns programas de aceleração é obrigatório).
  • O programas de aceleração são presenciais e em tempo integral, nem sempre uma startup tem condições ou interesse de se mudar para ser acelerada;
  • Muitas vezes é um problema para a startup ter que esperar até a próxima turma de aceleração iniciar;
  • Startups realmente inovadoras às vezes são deixadas de lado para diminuir o risco do investimento.

Citei diversos motivos acima mas, o principal é que: aceleração NÃO É TUDO que uma startup precisa. Eu digo isso porque muitas vezes parece que as startups pensam que ao entrar em uma aceleradora tudo está resolvido e na verdade não é bem assim.

Então o que pode ajudar minha startup?


Uma startup precisa de um ecossistema forte e conciso, onde cada um dos diversos players execute bem o seu papel para que isso no fim das contas não ajude apenas as startups mas retroalimente todo o ecossistema e o torne mais forte e mais conciso. Isso se torna uma espiral ascendente de sucesso. 

Tendo isso em mente que Startadora decidiu se tomar um passo importante em sua trajetória, passando a ser um Ecossistema Digital para Startups. Vamos ajudar as startups a seguirem toda sua jornada empreendedora, da ideação ao exit (venda da empresa), entregando as startups um mix de conteúdo, ferramentas, networking e acompanhamento.

Neste modelo o time terá acesso à trilhas de conteúdos especializados e aprofundados feitos tanto pela Startadora quanto por parceiros especialistas nos temas que serão abordados, ferramentas de inovação para apoiar o desenvolvimento da startup, networking com outros empreendedores, possíveis sócios, colaboradores, parceiros, mentores e até mesmo investidores! E tudo isso, com o acompanhamento de aceleradores formados através da Academia de Inovadores que estarão usando a Metodologia Startadora para ajudar sua startup a avançar na jornada. 

Esse é um grande sonho que está sendo implementado aos poucos (assim como ensinamos às nossas startups), mas mesmo hoje, você já pode fazer parte da versão beta e já ter acesso à diversas vantagens como:

  • Não ceda participação da sua empresa;
  • Seja acelerado de qualquer lugar;
  • Tenha uma jornada clara para seguir;
  • Valide seu negócio com metodologia científica;
  • Tenha flexibilidade para conversar com o seu acelerador por videoconferência;
  • Desenvolva sua empresa no seu ritmo;
  • Comece a qualquer momento;
  • Tenha apoio de profissionais para aconselhá-lo;
  • Pague por assinatura e se quiser cancelar, poderá fazer a qualquer momento;
  • Leve sua startup até onde você quiser!

Usamos os unicórnios como contextualização no início do texto para que você pudesse entender o impacto que um ecossistema mais robusto pode causar, porém sabemos que nem todos querem ser unicórnios. Existem muitos caminhos possíveis para uma startup. E queremos ajudar você a encontrar e trilhar o seu próprio caminho. 

NÃO queremos tornar o Brasil um país de 12 mil unicórnios! 

Queremos tornar o Brasil em um país onde as suas 12 mil startups encontrem um ecossistema propício para que eles se tornem o que eles quiserem ser.

Queremos ajudar cada empreendedor a trilhar a sua própria jornada, o mais rápido possível.

E já demos o primeiro passo da nossa jornada. 

E você? Já começou a trilhar a sua? Sabe qual o próximo passo deve dar? E sabe se esses passos estão te levando para o caminho certo? 

Se respondeu não para qualquer uma dessas perguntas, entre em contato conosco. Queremos te ajudar!

www.startadora.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *