Browse By

O que é uma Startup?

Afinal de contas o que é uma Startup?

“É uma empresa em fase inicial, num ambiente de incertezas, em busca de um modelo de negócio que seja inovador, repetível e escalável.”

Mas, você sabe porque são necessários todos estes itens para se ser uma Startup?

Inovador

Vamos começar pela Inovação, por que as Startups precisam ser inovadoras?

Sabemos que é difícil concorrer com grandes empresas pois elas já possuem mercados bem estabelecidos, para que pequenas empresas consigam uma parte deste mercado é necessário ter algum diferencial, ou seja, algo inovador em seu produto, serviço ou modelo de negócio, existem basicamente duas formas de inovar: pela Inovação Incremental ou pela Inovação Disruptiva.

Inovação Incremental: Realiza melhorias em produtos ou serviços já existentes. Por exemplo, a indústria de carros trabalha para deixá-los cada vez mais eficientes, rápidos, maiores, menores, etc, dependendo de seu público alvo.

Inovação Disruptiva: Entende a dor do cliente e soluciona um problema real, porém de uma forma que ninguém entrega, entregando algo inovador e disruptivo.

Este tipo de inovação cria e transforma mercados. Por exemplo, na Netflix, entenderam que a dor dos consumidores era assistir seus filmes, com o uso da tecnologia de Stream e popularização da internet, transformaram a forma como consumimos conteúdos em vídeo.

As Startups precisam mirar na Inovação Disruptiva pois é onde o dinheiro estará no futuro e onde as grandes empresas ainda não dominam.

Além disso, empresas pequenas têm vantagens sobre as grandes pois conseguem ser flexíveis e adaptar seu modelo de negócio de acordo com as oportunidades e necessidades encontradas ao estudar este novo mercado.

E como encontramos/criamos este novo mercado? Pela validação!

Começamos estudando e vendendo para um nicho, entendendo muito bem suas dores e o que realmente querem resolver, validar é uma arte. É preciso sair do computador e se conectar com os seus potenciais clientes, ouvir seus problemas e identificar o que mais incomoda e ninguém conseguiu atender ainda.

Incertezas

Quando inovamos, acabamos tendo muitas Incertezas, por exemplo, para quem eu começo vendendo, qual melhor forma de entregar um produto, a melhor forma de cobrar por isto, a melhor forma de pivotar, qual o melhor time e como fazer tudo isso antes de quebrar…

A melhor forma de minimizar o máximo possível dessas incertezas é validando, entendendo o Job to Be Done, sua persona, seu nicho de mercado e vendendo!

Até superar as incertezas e encontrar o melhor modelo de negócio a empresa precisa se sustentar, certo? Então a melhor forma de superar esta fase é buscar por investimentos, certo? ERRADO!

Você estará abrindo mão de uma porcentagem importante da sua empresa sem ter certeza sobre seu modelo de negócio, e se você descobrir que o mercado para o qual você estava olhando não é o ideal, que o melhor é outro, terá que começar a validação toda novamente, então você precisará de outra rodada de investimento?

NÃO! É muito importante que o empreendedor consiga se sustentar de outras formas, que não dependa do dinheiro da Startup no início.

Isso para que quando realmente for hora de começar as rodadas de investimentos para dar tração ao seu negócio você seja atrativo.

Muitas vezes é melhor quebrar logo e começar novamente do que ficar prolongando a vida de uma Startup que está “andando de lado”, costumamos chamar este tipo de Startup de “Walking Dead”, não está bem viva, mas também ainda não morreu, está um zumbi.

Modelo de Negócio

Vimos acima que conseguimos encontrar um modelo de negócio quando eliminamos as incertezas, mas o que é de fato um modelo de negócio?

Podemos defini-lo ao responder 3 perguntas:

  1. Como entrego valor?
  2. Como capturo valor?
  3. Como funciono operacionalmente?

Um modelo de negócio é basicamente o modus operandi da empresa, a forma como ela funciona visando resolver um problema de um cliente e ser pago por isto.

Se seu cliente gosta do seu produto mas não quer pagar por ele, quer dizer que você ainda não encontrou a verdadeira dor dele, ou a melhor forma de cobrá-lo por isto e ao mesmo tempo você precisa ter o menor esforço possível ao realizar a entrega.

Se você consegue entregar e capturar valor mas o seu funcionamento operacional não é repetível e escalável você ainda não é uma Startup.

Repetível e Escalável

Qual o melhor modelo de negócio para entregar minha solução? Devemos sempre buscar um modelo que entregue alto valor aos clientes para que seja possível captar valor de volta, porém, tão importante quanto ser rentável, as startups precisam se preocupar em encontrar um modelo de negócio que a faça ser repetível e exponencialmente escalável.

O que significa que uma startup precisa entregar exatamente o mesmo produto ou serviço para muitas pessoas, sem que seu custo operacional cresça de forma equivalente.

Atenção, vários modelos de negócio podem ser escaláveis em algum nível. Se uma padaria comprar mais equipamentos , aumentar seu espaço, contratar mais pessoas, ela conseguirá entregar os mesmos produtos e vender para mais pessoas, no entanto o seu custo aumentará para que isso aconteça.

A proporção em que o custo acompanha o crescimento da receita, determina o nível de escalabilidade de uma empresa. No caso de uma startup, esse crescimento de receita é exponencial, enquanto o custo aumenta em uma escala muito menor.

Para exemplificar isso, vamos usar o Uber. Se ele hoje multiplicar sua quantidade de clientes em 10 vezes, seu custo será de basicamente mais alguns servidores, e não haverá necessidade de contratar mais pessoas, alugar mais andares em sua sede, comprar mais carros ou equipamentos, ou seja, seu custo aumenta bem pouco, enquanto a sua receita aumenta em uma escala muito maior.

Um negócio, que aumenta seus custos duas vezes, a cada vez que aumenta sua receita em 100 vezes, é um bom exemplo de escalabilidade exponencial.

A crise existencial e o medo

Para ser uma startup tem que mirar alto, querer muito, todas as Startups de sucesso tiveram que quebrar paradigmas, matar empregos e negócios mas também criaram outros que não existiam.

Por isso muitos empreendedores quando começam a encontrar um modelo de negócio inovador começam a ter medo, percebem que estão saindo do incerto para realmente causar impacto.

A dica é, não tenha medo, se você descobrir que sua solução irá acabar com um mercado, com equipamentos do dia a dia ou com classes inteiras de empregos, não tenha medo, isso quer dizer que você está realmente sendo disruptivo. Isso é o que chamamos de Startup Thinking.

O fim da Startup

Quando deixo de ser uma Startup?

Deixamos de ser uma Startup quando encontramos um modelo de negócio que é exponencialmente repetível e escalável, matamos as incertezas e tornamos o inovador em algo lucrativo.

E é nesta etapa que grandes empresas e investidores se interessam por você, quando você provou que sua empresa se sustenta sozinha e principalmente, tem muita capacidade de lucrar e é ai que ocorre o famoso exit que consiste na venda da Startup ou no IPO (abertura de capital da empresa). E depois de tudo isso você se tornou uma empresa!

Startups e as Grandes Empresas

Startup, são ameaças para as Grandes Empresas?

Se você respondeu que sim, está certo, vimos que elas começam do nada vão crescendo e conseguem se tornar maiores e melhores que grandes empresas já bem estabelecidas.

Mas se você respondeu que não, também está certo, Startups podem ser vistas também como oportunidades para grandes empresas não só as comprarem e lucrar mais, mas também para inovarem.

“Startup é o modelo de inovação mais sofisticado que temos hoje”

Veja também:

Série Validação | Parte 1: O jeito certo de começar uma Startup

Jornada do empreendedor de startup

Startup Thinking – Como saber se esta preparado para fazer uma Startup

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *